08/ 02

MONITORAMENTO ECONÔMICO

Sondagem de Serviços

O Índice de Confiança de Serviços (ICS), da FGV, em  janeiro,  teve  variação  de  3,8%  ao  atingir  os 98,2 pontos, na série com ajuste sazonal. Este é o maior  nível  para  o  índice  desde  março  de  2014 (98,7  pontos).O   resultado  do   ICS   teve  maior influência  do  Índice  de  Expectativas  (IE-S),  que avançou  6,1%  e  atingiu  107,1  pontos. O  Índice de Situação  Atual  (ISA-S), por  sua  vez,  teve  variação de  0,9%,  e  alcançou  os  89,3  pontos.  Em  relação ao  mês  de  janeiro  de  2018,  o  ICS  cresceu  7,7%. Nesta   mesma   base   de   comparação,   o   ISA-S avançou 4,1%, enquanto o IE-S avançou 10,7%. O Nível   de   Utilização   da   Capacidade   Instalada (NUCI) registrou aumento na série dessazonalizada,     passando     de     81,9%     em dezembro  para  82,1%  em  janeiro.  Comparando com janeiro do ano passado, o NUCI recuou, indo de 82,3% para 82,1%. Os resultados da sondagem revelam  uma  melhora  na  percepção  do  setor  de Serviços  em  janeiro,  aproximando-se  do  patamar neutro   (100   pontos),   após   a   quarta   elevação consecutiva  na  margem.  Mesmo  com  avanço  nos dois   componentes   do   índice,   o   aumento   foi puxado,   novamente,   pelo   indicador   relativo   às expectativas, que atingiu maior valor desde abril de 2012.  Como  vem  sendo  destacado,  o  avanço  do setor,   que   passa   por   uma   lenta   recuperação, dependerá   da   concretização   da   confiança   em ações,   que   tende   a   se   realizar   conforme   a percepção    do    empresariado    em    relação    à efetivação das medidas do novo governo. 

Dados completos do monitoramento estão disponíveis clicando aqui.

 

FONTE: FECOMÉRCIO RS

 

Destaques

Desenvolvimento,empreendedorismo e união constroem a nossa história

Multas do eSocial: 9 penalidades que as empresas estão sujeitas!

MONITORAMENTO ECONÔMICO

Endividamento dos gaúchos recua para 63,2% em janeiro, apura a Fecomércio-RS

Luiz Carlos Bohn representará CNC em Conselho de Câmaras de Comércio do Mercosul (CCCM)

Benefício de refeição deve parar no STF

eSocial chega às micro e pequenas empresas

Não deixe para última hora: adesão ao regime do Simples Nacional exige regularidade junto à Fazenda Nacional