16/ 04

Um Sistema da Sociedade

Luiz Carlos Bohn
Presidente do Sistema Fecomércio-RS/Sesc/Senac

                                                                                                                 crédito Jefferson Bernardes

Nunca se falou tanto no Sistema S. Parece que Brasília viu nesses recursos uma forma de reduzir a carga tributária, sem mexer no caixa do governo. É como se um estudante entregasse o dever de casa feito pelo colega. Ele garantiu a nota, mas desconhece o processo de aprendizado e as demandas referentes ao esforço do trabalho. O que seria necessário para este aluno conseguir gerar o mesmo resultado do amigo?

O Sistema S é uma criação brasileira, abrigada na Constituição, que conta com dinheiro público, mas possui administração privada. Seus funcionários não são funcionários públicos, são contratados pela CLT e, portanto, não possuem estabilidade, o que impõe um conjunto de incentivos muito mais eficiente e que se traduz em qualidade dos serviços prestados. Quando se aposentam, são pagos pela Previdência Social, sujeitos a um teto, como a grande maioria dos brasileiros. Esse detalhe faz uma diferença fundamental: o orçamento do Sistema S historicamente se destina a prestação de serviços à sociedade, jamais se transforma em transferência de renda na forma de aposentadorias babilônicas. É dinheiro que o Sesc e o Senac convertem em almoço para quem ganha pouco, tratamento dentário de gente humilde, educação para quem tem fome de aprender, mesmo tendo pouca comida no prato.

O Sistema S é o dinheiro público que se transforma em serviços para a sociedade a um custo mais baixo do que aqueles prestados pelo governo. É auditado permanentemente pela Controladoria Geral da União e pelo Tribunal de Contas da União. Não é uma caixa preta, como se popularizou dizer. Obviamente é um sistema que pode falhar, mas sem dúvida alguma é um tipo de organização que tem um impacto social gigantesco e tem o seu gerenciamento aprimorado ao longo do tempo.

Recentemente, o ministro da economia falou em “passar a faca no Sistema S”. Cortar o orçamento significa cortar a parte eficiente do gasto público, que por mais que fique fora do orçamento da União, faz política pública de saúde, educação, cultura esporte e lazer com excelência. Quando os S perdem orçamento, o S que mais perde é o S de Sociedade.

*Artigo publicado no jornal Correio do Povo desta terça-feira (16/04)

Destaques

Treinamento de Passadoria

Treinamento Atendimento e Classificação de Peças

Primeiras alterações na simplificação do eSocial

COMUNICADO SOBRE TENTATIVA DE FRAUDE NAS LAVANDERIAS NO RS

Junta Comercial prorroga prazo de cancelamento do registro de empresas

Serviços recuam 1,0% em junho

Treinamento de Passadoria

Treinamento Atendimento e Classificação de Peças