05/ 06

Nota técnica PIB: frustrante, mas não surpreendente

No primeiro trimestre de 2019 de acordo com o IBGE, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro apresentou variação de -0,2% em relação trimestre anterior, na série sazonalmente ajustada. O resultado, ainda que decepcionante, não surpreendeu. A maioria dos economistas já apostava que o resultado seria esse. Setorialmente, houve quedas de 0,5% na agropecuária e de 0,7% na indústria. Já os serviços apresentaram crescimento de 0,2%. Comparativamente ao primeiro trimestre de 2018, o PIB registrou variação de 0,5%. No acumulado em quatro trimestres ante os quatro trimestres imediatamente anteriores, o PIB brasileiro apresenta crescimento de 0,9%, numa clara perda de tração. Em 2018, o produto brasileiro, nesta base de comparação, apresentou 1,3% de alta.

Sob a ótica da produção, o resultado do trimestre frente ao mesmo trimestre de 2018 refletiu o desempenho positivo do setor de serviços. A indústria registrou baixa de 1,1%, resultado influenciado pelas diminuições da indústria extrativa (-3,0%) e da construção civil (-2,2%). O setor de serviços apresentou crescimento de 1,2%, com destaque para a elevação de 3,8% apurada em informação e comunicação. O setor agropecuário, por sua vez, teve recuo de 0,1% frente ao período de janeiro a março do ano passado.

Pela ótica da demanda, comparativamente ao primeiro trimestre de 2018, o consumo das famílias aumentou 1,3%, enquanto o consumo da administração pública caiu 0,1%. A formação bruta de capital fixo (que mede a parcela de produto utilizada para realizar investimentos) teve alta de 0,9%. Quanto ao setor externo, as exportações tiveram alta de 1,0% ao passo que as importações diminuíram em 2,5%.

O resultado do primeiro trimestre do ano mostra a dificuldade da recuperação econômica ganhar fôlego. Depois de dois anos crescendo 1,1%, o ano de 2019 se encaminha para ser mais um ano de frustração. Pelo lado da produção, a indústria mostra-se bastante deprimida, com destaque para o fraco desempenho da construção civil e da indústria extrativista mineral, que reflete os impactos dos recentes rompimentos e ameaças de rompimentos de barragens. No lado da demanda, destaque para fracos desempenhos do investimento, consumo das famílias e dos gastos do governo.

Destaques

Primeiras alterações na simplificação do eSocial

COMUNICADO SOBRE TENTATIVA DE FRAUDE NAS LAVANDERIAS NO RS

Junta Comercial prorroga prazo de cancelamento do registro de empresas

Serviços recuam 1,0% em junho

Treinamento de Passadoria

Treinamento Atendimento e Classificação de Peças

Nota Técnica: Confiança dos Serviços tem alta em julho

CONVENÇÃO COLETIVA PORTO ALEGRE E INORGANIZADOS!